Augusto: 1 - A prima da minha cunhada

Categoria: 

A prima da minha cunhada

Quando eu tinha uns 14 anos mais ou menos, sentia certa atração pela prima da minha cunhada “Pâmela”, ela tinha a pele branca, mas o cabelo negro na altura da cintura, uma cintura fina, magrinha, mas com peitos médios que se destacavam muito no seu corpo, uma coxa gostosa que fazia um desenho lindo junto com seu bumbum, tinha olhos castanhos boca grande, não era linda de rosto não, mas era bonitinha e o corpo compensava e muito!

Acredito que por volta da oitava série ela veio estudar na minha turma,até então estudava em outro colégio e não tínhamos contato, no início agia naturalmente, nem sequer dava em cima dela, apesar de pedir para minha cunhada “colocar ela na fita” algumas vezes.

Certo dia, o professor passou um trabalho em dupla e sorteou as duplas para não ficar ninguém sobrando, para minha sorte ela foi minha dupla. Neste final de semana marcamos dela ir à minha casa para fazermos logo o trabalho. para não deixar para cima da hora (como eu sempre fazia). Ela chegou na minha casa com uma calça colada que desenhava todas as curvas do seu corpo, e uma camisetinha aparecendo o decote que me arrepiou da cabeça aos pés. Meus irmãos estavam fora com meus pais, não lembro fazendo o que. Estava apenas eu, a senhora que trabalhava na minha casa (devia ter uns 60 anos, o que na época era bem velhinha). Fomos para o meu quarto onde tinha 2 camas, pois eu dividia o quarto com meu irmão, perto da porta tinha um computador onde faríamos nosso trabalho, sentamos naturalmente e começamos a fazer o trabalho, eu pensando como iria abordar ela com medo de levar um toco e acabar perdendo a amizade.

Depois de uma hora mais ou menos, estava preocupado em deixar essa oportunidade passar e não ter aproveitado, então enquanto ela digitava no computador aproximei bem meu rosto do dela, fingindo que estava lendo o trabalho, fingi que tive dúvida em um tópico do trabalho e aproveitando meu rosto perto do dela comecei a conversar com ela sobre a questão, ela me respondia e me explicava com calma, nesse ponto estava com o rosto tão perto do dela que olhava nos olhos dela, mas não conseguia ver sua boca, eu fui me aproximando bem devagar para ver sua reação, e para minha surpresa ela não se afastou, naquela hora eu estava tão excitado, com friozinho na barriga que a beijei meio sem jeito, pois foi a primeira vez que eu beijava alguém, ela percebeu isso e me perguntou se eu já havia ficado com alguém, muito sem graça respondi que não, ela só riu e voltou a me beijar, me orientando como fazer da melhor forma, eu tremia de nervosismo e tesão, estávamos tortos na cadeira, então levantamos sem falar nada e sentamos na beira da cama, os beijos foram esquentando até o momento que ela deitou na cama, deitei por cima dela e continuava a beijar ela, nesse momento estava nítido como eu estava excitado

Com ela já havia perdido a virgindade a algum tempo com seu ex namorado, perguntou se a porta tinha chave, eu disse que não, mas sem sair de cima dela, ela virou de lado na cama com aquela bunda perfeita para o meu lado e disse que então era melhor pararmos, sem dizer nada puxei ela pela cintura encostando meu pau na bunda dela por cima das nossas calças, quando percebi que ela também estava louca de tesão, deixando a bunda empinada para o meu lado enquanto eu nitidamente me masturbava me esfregando nela, coloquei a mão dentro do decote dela esperando ela reclamar, mas não disse nada, quando segurei aquele par de peitos que ocupavam direitinho a palma da minha mão quase gozei, me segurei e soltei um suspiro, voltei a tremer muito, nunca tinha chegado tão perto de uma mulher, então ela virou e disse que já estava na hora de ir embora, pois já passavam das 17:00 e ela tinha compromisso 18:00, sabendo que minha alegria estava prestes a acabar, agarrei com mais força o peito dela, forçando meu pau na bunda dela, e ficava me esfregando cada vez mais rápido e gemendo no ouvido dela, disse que iria gozar, e de repente puxei o corpo dela contra o meu com toda a minha força, sentia ela empinando o bumbum para eu gozar, aquilo foi tão excitante que não aguentei, gozei e gemia sentia meu corpo tremendo todo, sabia que a minha cueca estava cheia de porra, ela só olhou de canto de olho e riu.

Depois disso ela levantou como se nada tivesse acontecido e começou a pegar as coisas dela, fui ao banheiro me limpar e trocar a cueca, levei ela no portão e demos um beijo meio sem jeito. Depois disso namoramos por alguns meses, mas não tivemos nenhuma outra oportunidade dessas. Até hoje me pergunto como não comi aquela menina.

Compartilhe com amigos

Copiar Link Whatsapp Twitter

Comentar