Eu, minha esposa e meu amigo da adolescência 9

Categoria: 

Roberto não se limitou ao clítoris da Patrícia, e descia os dedos, enfiando na vagina, e passando pelo períneo até o cu. Ela levantava a bunda pra facilitar, o que deixava a buceta dela ainda mais exposta. Olhei pra buceta da fabiana novamente e vi ela olhando pra mim. Olhei pra ela e ela disse “vem fazer igual”. Eu fui, né, meus amigos, e Patrícia viu a movimentação. Se Roberto ainda tinha 0,00001% de restrição na masturbação que fazia na Patrícia, ficou totalmente liberado. Eu pegava nos peitos da Fabiana, na buceta, e concentrado pro meu pau subir, por que o do Roberto já estava estufado na sunga. Roberto perguntou a Patrícia “posso tirar a sua calcinha?”. Como se fizesse alguma diferença... Patrícia consentiu com cara de quero pica, e ele a deixou pelada. Patrícia colocou a mão na sunga dele e ficou massageando por cima do pano, enquanto ele fazia alternava na buceta e peitos. Daí Patrícia tirou o pau dele da sunga, e ele arrancou a sunga de vez. Ela ficou punhetando enquanto ele continava a massagem. Fabiana já estava deitada com as pernas abertas viradas pra mim e eu enfiava dois dedos na buceta, com o dedão naquele clítoris proeminente. Meu pau estava a meia bomba na cueca. Assim como Roberto, tirei a cueca e bermuda na esperança do pau subir de vez. Estávamos os 4 pelados, só a Fabiana ainda com a calcinha pro lado. Puxei a calcinha dela e tirei. Quando voltei, não foi mais com os dedos. Fui lá dar uma bela chupada e sentir na língua aquele clítoris. Roberto não perdeu tempo e deu o pau dele pra Patrícia chupar. Depois ele sentou do lado onde eu estava no sofá, me empurrando um pouco, e puxou a Patrícia e falou pra ela chupar nós dois. Ele viu que eu estava meia bomba e precisava de uma força. Patrícia ficou ajoelhada na nossa frente, eu parei de chupar a Fabiana pra ver a cena da patrícia.

Finalmente minha namorada parecia uma puta de filme, mamando alternadamente dois cacetes. Fabiana desceu do sofá e ficou do lado da Patrícia, e colocou a mão lá atras, e devia estar enfiando os dedos na buceta dela. De repente falou algo no ouvido da Patrícia. Patrícia parou de chupar, olhou pra ela e com um sorriso tímido só acenou a cabeça concordando. Fabiana deitou no colchonete com a cabeça embaixo da buceta da Patrícia, que posicionou a buceta na boca dela pra ela chupar. A safada da Fabiana gostava mesmo da coisa. Além de uma putinha na cama, era bi. Cortava pra todos os lados. Meu pau, claro, endureceu, e Patrícia não perdeu a oportunidade. Me deitou no sofá onde a Fabiana estava antes e subiu no meu cacete de frente pra mim, cavalgando com pressão. Depois virou e ficou de frente pro Roberto enquanto me cavalgava, apoiada na coxa dele, encostando no pau. Ele ficava fazendo carinho no rosto e nos cabelos dela. Eu estava curtindo, pois precisava de incentivo pra manter o pau em riste. Patrícia estava com tesão demais, pela massagem que tinha recebido, e foi encostando sua cabeça no peito do roberto enquanto me cavalgava e ficou mordendo e beijando o peito dele. Ela foi subindo, beijando o pescoço, e quando dou por mim, os dois estão se beijando, enquanto ela me cavalga. Gente, que cena quente. Misturou todos os meus sentimentos, eu não sabia o que achar. Fabiana veio na hora na minha direção e me beijou também. Eu retribuí, assim como fizera ontem.

Patrícia gozou me cavalgando, e caiu no colchonete extasiada. Roberto e Fabiana começaram a transar no sofá e eu desci para o colchonete com a Patrícia. Logo ela veio me chupar, meu pau ficou quase duro novamente, e ela ficou de 4, apoiada no sofá, do lado de Roberto e Fabiana, passando a mão nas coxas do Roberto enquanto fabiana o cavalgava. Eu estava metendo, mas estava de coadjuvante. O interesse dela era nos dois. Mas o pau estava duro e eu tinha que continuar. Não tinha vontade de gozar, o que era bom.

Fabiana sai de cima de Roberto e senta na pontinha do sofá pra ele meter ajoelhado. Patrícia fica ali do lado, atenta a tudo, enquanto eu como ela de 4. Enquanto Roberto desce do sofá leva o pau até Patrícia, pra ela chupar. Ela faz cara de nojo e diz que não. Então Roberto dá uma bolinada na buceta da fabiana sem enfiar os dedos, e tira os dedos lambuzados e leva na direção da Patrícia, que consente, deixando ele colocar os dedos na boca dela, e fica chupando. Instintivamente eu diminuí o ritmo das minhas estocadas, pra cabeça da Patrícia não mexer muito e facilitar o serviço do Roberto. Daí ele ofereceu o pau novamente, e Patrícia deu só um beijo na cabeça do pau dele. Ela estava com nojo dos fluidos do interior da buceta, com certeza, e com razão. Roberto então começou a comer Fabiana e patrícia ali do lado, vendo tudo. Logo ela pediu pra eu acelerar, que ia gozar de novo. Acelerei e gozei logo depois dela, jogando o pouco esperma que tinha na bunda dela. Roberto riu pra mim, como quem diz “parabéns, guerreiro, ótimo trabalho”, e continuou metendo na Fabiana. Patrícia pegou a calcinha dela e limpou o gozo da bunda, e continuou ali. Eu fui no banheiro urinar e limpar o pau.

Quando voltei, Fabiana já estava ajoelhada encostada na base do sofá, ao lado dos dois, e enquanto Roberto comia a Fabiana, em ritmo bem mais lento que antes, atolava o dedo na bunda da Patrícia. Os três estavam se divertindo. Roberto tirou a mão da bunda, abraçou Patrícia e puxou ela pra encostar mais nele, e deram outro beijo na boca, com a lingua de um sambando na boca do outro. Sentei ali do lado, de camper, só observando, e ele fala pra mim “que beijo gostoso ela tem”, abaixa a cabeça e vai chupar os peitos dela, sem tirar o pau da Fabiana.

Logo depois ele fala “senta aqui do lado da Fabiana”. Patrícia sentou na mesma posição, com a bunda na borda do sofá, perna aberta mostrando a buceta, doida pra levar rola. Como eu estava do lado dela, fiquei bolinando o clítoris enquanto o Roberto metia na Fabiana e alisava as pernas da Patrícia, e de vez em quando ia com os dedos na buceta dela, dividindo o espaço comigo. Ele olhou pra mim falando “elas são demais”, e eu concordei.

Fabiana puxou o rosto da Patrícia pro lado dela, Patrícia virou e ficaram as duas olhando uma pra outra. Fabiana se aproximou e Patrícia deixou rolar, e começaram a se beijar, primeiro com selinhos e trocas de olhares, depois vários beijos de namoradas apaixonadas. Nesse meio tempo Roberto me pergunta “posso comer ela?”, e eu sem outra opção respondo “vê com ela”. Patrícia estava ouvindo. Para o beijo e diz “vem, seu cachorro, mas devagarzinho por que eu to quase gozando de novo”. Roberto foi no banheiro, lavou o pau rapidamente (gostei disso, boa noção de higiene) e voltou com o cacete balançando. Patrícia desceu do sofá e já esperou ele agachada na altura do pau, e abocanhou pra lubrificar, e voltou pra mesma posição.

Roberto se ajoelhou de frente ao sofá, Patrícia ajeitou a posição da buceta e abriu as pernas. Roberto estava com o pau na portinha e falou pra mim, que estava do lado da Patrícia “vai bolinando o clítoris dela que vou enfiando devagar, pra ela não sentir dor”. Papo furado, ele tinha comido ela ontem e ela não tinha sentido dor, mas topei. Fiquei bolinando e ele foi enfiando e tirando devagar, até que daqui a pouco estava enfiando tudo, e o pubis dele com os pelos aparados já encostava nos meus dedos. Depois o pau dele escapuliu e encostou nos meus dedos. Eu continuei a bolinando, e ele ficou dando porradas de pica na buceta dela, depois enfiou novamente, bem devagar. Ver o pau dele tão de perto rasgando a Patrícia foi uma sensação forte de prazer e de ciúmes.

Depois ele colocou Patrícia de 4 com os joelhos no colchonete, e deitada sobre o sofá, e começou a meter e dar uns tapas mais fracos que os de ontem. Patrícia gosta de falar, e dizia coisas como “me arromba com esse pausão”, “mete, gostoso”. Fabiana foi por baixo dos dois, entre as pernas deles, e ficou bolinando o clítoris da Patrícia. Eu ali, curioso, queria ver mais aquela pica atolando Patrícia, e Fabiana me chamou pra tomar a posição dela. Fui eu pra baixo dos dois, Roberto metendo sempre devagar, Patrícia urrando de prazer, e eu vendo tudo e bolinando o clítoris da Patrícia ali em baixo. De repente a o pau dele sai da buceta e para a poucos centímetros da minha cara. Ele não colocou o pau de volta imediatamente. Deitou seu peito sobre a Patrícia e ficou mordendo as costas dela, e o pau dele foi mais pra frente ainda. Não ia encostar em mim. Fiquei só admirando o tamanho daquela jeba que estava metendo na minha namorada. Daí ele volta, se afasta um pouco e olha pra mim rindo e diz “tudo bem aí em baixo?” e eu digo sim. Patrícia não tinha se tocado ainda que eu estava ali, e chegou a virar pra ver, dizendo “o que vc ta fazendo aí, amor?” eu respondi “bolinando você”, e ela disse “ahh, pensei que era a Fabiana”, e voltou pro lugar dela. Roberto então falou pra mim “chupa ela um pouquinho pra lubrificar, pra eu meter de novo”. Na posição que eu estava era impossível, mas ele se afastou, eu virei e comecei a chupar a buceta dela com gosto de pau, e deitei de novo esperando a metida. Roberto veio e começou a meter novamente, e falou “chupa o clitoris dela”, e eu disse “não dá” e ri. Não dava por que se eu chupasse o saco dele ia ficar batendo no meu queixo. Saí dali e fui pro sofá.

Ele ainda deitou no conchonete e pediu a ela pra cavalgar. Ela foi com cuidado, engolindo aquela tora. Olhou pra mim e disse baixinho “te amo”, e continuou cavalgando até gozar de novo, caindo sobre ele e falando que não aguentava mais. Ele falou “vou gozar então”, e ela semidesfalecida disse sim. Ele começou um papai mamãe e logo depois saiu de cima dela e foi lá pra frente do rosto dela. Deu o pau pra ela chupar, e enquanto ela colocava e tirava só a cabeça da boca, por que estava deitada de barriga pra cima, ele ia punhetando o pau e chamando ela de deliciosa, gostosa. Ela virou de bunda pra cima e elevou a cabeça pra facilitar. Ele ia colocando e tirando o pau na boca dela e punhetando. Eu to vendo que a intenção dele é gozar na boca dela. Comigo Patrícia deixa numa boa, mas na rotina das transas já tinha tempo desde a última vez que eu tinha feito isso, e fiquei pensando “será que ela vai deixar ele gozar na boca?”. De repente ele começou a respirar ofegante e fala “ahh, vou gozar”, sem tirar o pau da boca dela. Patrícia também não tira a boca do pau, e ele segura a cabeça dela com uma mão, continua punhetando o pau com a outra, e jorra tudo na boca dela, que guarda sem engolir.

Ela ainda com o pau na boca olha pra cima, como se estivesse surpresa, e ele ri pra ela e vai tirando o pau. Ela olha pra mim e eu não faço nenhuma menção de reprovação. Ela pegou a calcinha dela e cuspiu, e deitou com a cabeça nas coxas dele. Olhava pra Fabiana e ria. Olhava pra mim e falava “te amo, delícia”. Daqui a pouco vejo sair mais uma gota de esperma do pau dele e falo “Põ, você goza pra caramba hein”, tem mais porra saindo do pau” Patrícia entendeu como um convite. Virou o rosto e viu o pau dele com a gota de esperma e foi lá lamber, trazendo aquela gota pra lingua dela, e olhou pra mim rindo. Depois ainda apertou o pau da base até a cabeça, e ficou com a boca como que beijando a ponta do pau, esperando sair mais alguma coisa, e depois fol lambendo por baixo da cabeça, deixando ele limpinho, igual fazia comigo no início do namoro.

Voltou pra posição nterior e ficou com a mão no pau dele, massageando, e olhou pra mim e falou “amor, to morta”. Eu nem tinha o que falar depois dessa cena de cinema. Roberto fala pra mim “amigo, a Patrícia é um espetáculo hein. Pra desbancar ela só a Fabiana” e riu pra namorada. Fabiana se aproximou e eles se beijaram. Patrícia veio pro meu lado no sofá e me abraçou peladinha, de costas pra eles, e veio me beijar. Fiz gesto de jogar a cabeça pra trás, e ela cochichou “para, amor, você tava me chupando depois que ele meteu, o que tem demais me beijar?”, e forçou o beijo, e me deu aquele beijo de cinema pornô, com lingua dançante.

Quando fomos pro banho, Roberto entrou no box e falou “Patrícia, você limpou meu pau tão bem com a boca. Vem aqui me dar um banho”. Ela olhou pra mim como quem dá tchau com os olhos e foi. Ficamos eu e Fabiana do lado de fora enquanto os pombinhos se ensaboavam entre uma encoxada e outra, ele lavando a buceta e cu dela, e ela lavando o pau mole dele, os dois voltavam a se beijar.

Quando os dois sairam entramos eu e Fabiana. Eu sentia que estava ali só cumprindo tabela, mas a Fabiana fazia eu me sentir importante. Animada, me agarrava, abraçava, passava a esponja no meu pau, e eu animei em dar um banho bem ensaboado nela, com direito a dedo no cuzinho, beijos e tudo mais.

Saimos do banho, já eram mais de 19 horas. Nos arrumamos e voltamos pras nossas casas.

Amigos, este foi o fim de semana que revelou a minha namorada putinha e meu amigo putão. Muita coisa ainda seria reavaliada dali em diante.

Até o próximo conto.

https://www.casadoscontos.com.br/texto/201805477

Compartilhe com amigos

Copiar Link Whatsapp Twitter

Comentar