Fodendo a Juh

Categoria: 

Recém-chegada de viagem Juh estava cansada e foi para o quarto do Gui, logo depois que ela entrou Gui veio até mim e disse que iria sair para comprar algumas coisas para ela. Apôs ele sair eu fui até o quarto e encontrei ela trocando de roupas, estava apenas de calcinha (uma calcinha vermelha, relativamente pequena e que realçava em sua pele morena, e deixava sua bunda muito sexy) eu via a silhueta daquele corpo negro com a pele clara, que me instigava e me chamava para cima dela. Fui andando silenciosamente até ela, cheguei bem perto do seu corpo seminu; ergui minha mão e acertei um tapa com toda a força que consegui em sua bunda, fazendo com que ela gritasse e sua bunda fixasse sexymente marcada pelos cinco dedos e a palma da minha mão. juh fez o movimento com o pescoço para olhar para mim eu segurei sua nuca e não deixei que ela virasse, ela estava prestes a falar alguma coisa e eu tapei sua boca. Cheguei bem perto do seu ouvido e disse apenas “Shhh!!!”, isso para que ela não identificasse a voz, com a mão ainda segurando seu pescoço peguei um pano e a vendei, outro e a amordacei, a joguei na cama com a bunda para cima, beijei sua nuca mordi sua orelha e passeei com minhas mãos por suas coxas, passando pela bunda (em que dei várias mordidas e chupadas, deixando as marcas dos meus dentes e roxos marcados desde as coxas subindo para até a parte abaixo das costas) subi com as mãos pelas suas costas, cravando os dentes em suas costelas, deslizando as mãos até seus ombros que eu apertei com força e mordi os dois, ela soltou gemidos com tudo isso. Tirei sua calcinha e enfiei quatro dos meus dedos nela e um entrava e voltava até a entradinha do seu cu e eu fazia isso com força, enquanto pela sua boca os gemidos saiam aos montes, um gemido instigante e sexy. Mesmo abafados pela mordaça eles ainda me excitavam, suas intimidades eram bem apertadas o que me garantia o prazer de senti-la se alargar quando eu fosse a foder. Parei de usar os dedos abri sua bunda e comecei a passar a língua no seu cu deixando ele bem molhado e lubrificado, e novamente sua mordaça a impedia de gemer, mas seu corpo arrepiado e se contorcendo, denunciava sua satisfação com tudo o que eu estava fazendo com ela. Coloquei meu membro enrijecido para fora e por um tempo passei a cabeça em sua bunda e depois abri a bunda e encaixei meu pau no meio e deixei assim para que ela o sentisse pulsar e quente entre suas nadegas, vagarosamente eu o retirei e coloquei a cabeça na entradinha do seu cu e sem pena alguma dela (pois seu cu até aquele dia ainda era virgem) eu enfiei meu pau nela de uma só vez, nem a mordaça pode conter o seu grito, e aquele grito me excitou. Comecei a foder o cu dela sem dó e ela ali parada gemendo alto sem que a mordaça pudesse conter, e eu a estocava violentamente, rápido e com força, vi um filete de sangue no meu pau, parei por alguns segundos e pude a ouvir chorar, enquanto ela chorava eu vi ela sangrando ela empurrou seu quadril para trás o que indicou que não queria que eu parasse, então continuei. Ouvindo seu choro e sentindo seu sangue escorrer, eu voltei a foder ela sem dó, ela rebolava de um jeito gostoso, e eu sentia seu cu apertando meu pau, ela piscava o cu, eu continuei estocando e estocando seu cu puxando seu cabelo, beijando seu pescoço, mordendo sua orelha fazendo novamente seu corpo arrepiar enquanto chorava no meu pau, e eu batia nela, enchendo sua bunda e coxas de marcas vermelhas. Eu passei a língua em seu pescoço e mordi ele e desci as mãos por suas costas arranhando ela, suas lágrimas escorriam e meu pau

deslizava, para dentro e para fora, o sangue que saia do cu dela facilitava ainda mais a penetração, eu puxei seu cabelo e fiz cada centímetro do pau ser engolido pelo cu dela, eu senti que ia gozar, comecei a estoca-la ainda mais rápido e forte e meu saco batia na bunda e na buceta dela. Eu estapeei o corpo dela e mordi seu pescoço, lambi de leve sua orelha enfiei tudo mais uma vez e jorrei a minha porra todinha no cu dela; quente, grossa, escorrendo dentro do cu dela para fora, quando terminei retirei sua mordaça e pude ouvir seu choro, e a beijei na boca, quando menos esperava ouvi a porta abrindo e Guilherme chegou e ouvindo o choro da Juh seguiu para o quarto e viu Juh vendada e chorando, me vendo logo ao lado de membro duro e com um sorriso no rosto.

https://www.casadoscontos.com.br/texto/201801556

Compartilhe com amigos

Copiar Link Whatsapp Twitter