Visitando novamente a nega

Categoria: 

São 11 da noite, saio do banho e começo a me arrumar pra sair e ir visita-la, penso em nossas conversas em como será dessa vez já que vou chegar mais cedo e terei mais tempo. Sento na cama, abro meu guarda roupa, pego a minha boxer preta para aqueles momentos, visto ela e como sempre ela fica justa; fico na dúvida de qual calça a vermelha ou a preta, experimento elas e a vermelha vence, ela é mais fácil de tirar; pego o primeiro tênis que encontro e o mais fácil de tirar, parte de baixo definida vamos para a parte de cima. Acho que um camisa básica fica ótima pra sair, olho entre elas e encontro a branca, visto ela e me olho no espelho, pronto vou assim; mas antes de tudo falta os acessórios, pego o meu anel de coco e um colar, agora sim tudo pronto passo meu perfume e vamos pra ação.

Pego o meu celular e chamo o uber, dois minutos e ele chega quase não dá tempo de terminar de escovar meus dentes, entro no carro e vou trocando uma ideia com o motorista. Descubro que ele é do Nordeste e estava aqui trabalhando pra ajudar a família em casa, nisso nem vejo o tempo passar, olho no gps e vejo que falta três quarteirões pro meu destino, mando mensagem pra ela tô chegando abre o portão.

Chego no meu destino, pago o motorista, me viro e vejo o portão aberto empurro ele e entro. Como já conhecia a casa já vou logo procurando ela, a encontro na cozinha de costas para a porta, me aproveito da situação vou andando devagar e me encosto em seu corpo, me aproximo do seu ouvido, perguntando:

- Vai beber pra tomar coragem dessa vez? – ela fica reflexiva e responde.

- Lógico que não, já tive coragem de dormir com você dá outra vez e foi bom hoje não preciso beber.

- Isso é muito bom. – respondo sorrindo maliciosamente.

Me afasto passando para o outro lado do balcão e começamos a conversar sobre a vida aleatoriamente enquanto bebemos tranquilos sem nos preocupar com o tempo. Reparo em seu corpo e ela está de camisola e sem sutiã, mas não sei se está de calcinha e está dúvida me consome, só tenho um jeito de descobrir e é investindo nela novamente.

Espero a oportunidade e ela aparece, ela vai para a pia jogar a latinha de cerveja fora e sem que ela perceba vou atrás dela me aproximando cada vez mais, quando se vira estou a um palmo de distância, porém diminuindo até estarmos próximos o suficiente para sentirmos a respiração um do outro. Encosto todo o meu corpo no dela, levo minha mão na sua lombar e puxo ela contra mim para nos beijarmos, durante ele levo minha outra mão abaixo do seu vestido e acabo com a minha dúvida ela está só de vestido, fico muito feliz por isso.

Saio de perto novamente conversando sobre coisas aleatórias quando de repente começa a tocar um funk com uma levada muito boa e convidativa para um momento mais a sós, mas com muita atividade. Pego a minha cerveja no balcão, vou para a mesa coloco a cerveja lá, me sento na cadeira a chamo

- Vem aqui, quero te falar uma coisa que ninguém pode escutar

- Relaxa todos estão dormindo – ela fala com um tom de curiosidade

Ela chega até mim, peço pra ela se vira prontamente ela atendente, como estava bem excitado já, encosto o meu pau na sua bunda, chego no seu ouvido, mando ela aproveitar a música e rebolar pra mim. Ela começa bem devagar e vai aumentando, vou acompanhando seus movimentos com o meu quadril, desço a mão até o quadril dela puxo ele de uma vez só, a surpreendendo caímos sentados na cadeira ela ri e gosta do que acontece:

- Seu safado era só pedir, que eu sentava no deu colo – ela fala sorrindo mostrando que está gostando

- Rebola pra mim cachorra – falo em um tom mais forte

- Sim, senhor – ela responde, começando a rebolar

Enquanto ela rebola aproveito para levantar seu vestido para olhar sua bunda, ela sorri e se inclina mais pra frente melhorando a minha visão, começo a passar a mão nela e a dar alguns tapas, ela vai gostando cada vez mais da situação. Levo a mão nos seus seios eles estão com os bicos bem duros, passo a mão neles, aperto um pouco ela fica louca de tesão, do nada pega a minha mão e desce para o meio das duas pernas.

Quando encosto na sua buceta ela está muito molhada, passo o dedo no clitóris ela começa a gemer, pego no seu cabelo puxo ela para trás de modo que ela se encosta em mim, solto ele, levo a mão nos seus seios e começo a morder seu cabelo ela geme mais alto, aquilo vai ficando gostoso, ela volta a rebolar em cima de mim. Enquanto geme me pede para come-la, desço o dedo do clitóris para o meio da sua buceta e enfio ele dentro dela ela volta a gemer alto. Chego perto do ouvido:

- Você tá querendo que eu te coma, cachorra? – pergunto para ela

- Sim, quero muito. – ela responde

- Isso vai depender do quanto vai gemer e do quanto vai rebolar pra mim – retruco

- Já que é assim. – ela responde sorrindo

Seu rebolado aumenta, ela pega na minha mão começa a enfiar meu dedo com mais força e geme mais alto, vira e me beija. Depois do beijo volta a gemer mais forte e alto;

- Me fode – ela pede de novo

- Abre a minha calça logo – respondo e paro de tocá-la.

Ela se levanta, abre a minha calça, puxa a minha cueca, pega no meu pau como se fosse um prêmio. Começa a me masturbar, levo a mão na sua cabeça, ela abre a boca e enfia meu pau na sua boca colocando tudo dentro, desço e subo ela no meu pau, solto sua cabeça mas ela não para de chupar olha nos meus olhos, sorrio de volta. Tiro sua cabeça, olho no fundo do seu olho:

- Agora é hora de voltar a rebolar

Ela entende, se levanta, se vira pra mim, pego no meu pau ela olha e senta em cima de um vez, começa a quicar em cima de mim gemendo baixo, a seguro e tiro seu vestido, empurro ela um pouco a frente ela fica com a bunda empinada e tudo recomeça, ela rebola pra mim, que sensação gostosa. Ela vai variando entre rebolar e quicar me cima de mim, passo a mão perto do seu cú e meu polegar passa nele, depois coloco meu polegar dentro dele.

- Se quiser pode brincar com ele – ela responde gemendo

- Até gosto que brinquem com ele – ela continua.

Já que ela gosta vamos brincar, coloco meu indicador ali dentro e começo a enfia-lo devagar e vou aumentando, depois coloco o dedo do meio e faço o mesmo ela solta um gemido bem alto. Não aguento mais aquilo solto um grande tapa na sua bunda.

- Seu puto, bate mais – ela solta

- Se levanta agora, que agora vou te fuder com vontade - mando ela

Ela sorri e se levanta, tiro meu tênis, a meia e todo o resto da roupa. Me levanto, vou para trás dela a empurro na mesa, ela cai com as mãos na mesa, passo a mão no meio das suas pernas e sinto um liquido descendo.

- Você gozou? - lhe pergunto

- Sim – ela responde

Me abaixo e começo a chupa-la, abro suas pernas, passo a língua, bebendo aquele delicioso liquido (que só alguns homens podem provar), passo a língua o seu clitóris e volto descendo percorrendo sua buceta, levo um dos dedo no seu clitóris enquanto penetro nela com a língua seus gemidos ficam mais fortes e intensos, ela rebola novamente praticamente pedindo minha piroca de novo.

Levanto passo meu pau na sua buceta, provocando-a ela desce a buceta e o meu pau entra quase todo, tiro a mão e o resto entra, ela solta um gemido mais alto, começo a meter nela devagar e vou aumentando a velocidade, pego no seu cabelo seguro com força seus gemidos aumentam o volume. Puxo ela até mim, chego no ouvido:

- Tá gostando sua cachorra ? – falo pra ela

Antes que ela possa responder a empurro na mesa, dou alguns tapas na sua bunda, aumentando a força, paro a mão ali e mando ela rebolar, ela atende como uma bela cachorra deve fazer. Levo a mão até seus braços, puxo eles para trás e seguro os dois nas costas dela, volto a meter nela puxando ela para trás e metendo com força na sua buceta, os gemidos voltam mais altos. Levo sua mão na bunda mando ela abrir pra mim, ela faz na hora tiro meu pau da sua buceta, começo a passar em volta do seu cú, ela me pede para enfiar devagar. Coloco a cabeça e vou enfiando, ela sente um pouco mas pede para continuar, diz que é porque tem tempo que não faz isso, continuo enfiando até que entra tudo. Pego na sua mão e aperto sua bunda, me aproximo do seu rosto e falo que vou meter agora até gozar dentro dela ela sorri.

Tiro meu pau até a cabeça quase sair e volto a enfiar com força dessa vez, ela geme e pede mais, começo meter com mais e mais força, dou alguns tapas na sua bunda, ela geme muito cada vez mais alto e intenso enquanto continua a meter no seu cuzinho, percebo que ela começa a passar a mão nos seios, mando ela gozar pra mim, e ela retruca pedindo para continuar metendo que aquilo tava muito bom e ela tava quase gozando, levo a mão no seu cabelo puxo ele com força continuo assim até ela gozar primeiro, aumento a força conforma percebo que estou quase gozando, ela pede para que eu encha ela de porra, isso me excita muito, coloco a mão na mesa e aumento a força com que vou fudendo ela até que finalmente gozo no seu cuzinho, enchendo ele todo de porra.

https://www.casadoscontos.com.br/texto/201807351

Compartilhe com amigos

Copiar Link Whatsapp Twitter

Comentar