A Tagarela do Tamanduateí

Categoria: 

Bia, uma menina branquinha, sorriso lindo, porém tagarela, conversa com as amigas, tom de voz mais alto que todas, chamando a atenção de todos que aguardavam o metrô.

Olhei para trás e vi aquela menina linda, com a voz irritante, mas, linda. Ela tem a pele branquinha, loirinha, olhos verdes, usava um óculos com a armação dourada, uma blusa cor de vinho e por baixo uma roupinha de renda cinza, uma calça cotton preta, mas, que mostrava bem a partição da xaninha dela e volumosa, descolada usava uma mochila azul gaussiano e um tênis all star combinando as cores.

Fiquei olhando e sua voz sumiu, enquanto me concentrava naqueles lábios rosados, aquele sorrisinho lindo, uma ninfeta que eu adorei cair de boca naquela bucetinha, a observei desde o Tamanduateí até Prefeito Saladino em Santo André, onde deixei meu carro ao lado da Rodoviária.

Desci e ela e as amigas também desceram, porém, as amigas foram para o outro lado e ela foi no sentido que eu ia, chamei ela e elogiei que ela era muito comunicativa, se ela cursava Publicidade ou Marketing.

Ela gaguejou quando falei com ela, então disse:

Gostei da sua conversa com as amigas, qual será o nome do seu sobrinho (isso ela contou as amigas, que estava alegre pelo nascimento), aproveitei pra dar continuidade no papo, perguntei pra onde ela ia, respondeu que ia pra Vila Assunção, então, eu nem ia pra lá mesmo, mas, estava doido para ao menos beijar aquela menina.

Após as apresentações, disse que coincidência eu também ia pra Vila Assunção, se ela queria uma carona, ela disse que não, falei tá vou esperar seu ônibus passar aqui, mas, creio que vai demorar, conversamos até que ela aceitou. Perguntei se ela sabia dirigir, ela disse que não, pedi pra ela trocar a marcha no caminho, ela disse que não sabia, então, segurei a sua mão e comecei a ensiná-la.

- Marx, você tem uma mão macia.

Trabalho com pc, então, não faço esforços ah não ser, quando é pra levantar um copo de cerveja. Tá gostando Bia de passar a marcha, é fácil. Posso ensinar você a dirigir se quiser.

Deixei-a em frente a sua casa e ela aceitou que eu ensinasse e marcamos no sábado.

No dia, marcamos no whatsapp o local onde eu a pegaria, ela veio fulminando, bermuda modeladora preta, uma blusinha branca, cabelos soltos, maquiada, parecia que estava preparada para ser abatida.

Uau Bia, é só uma aula de direção, você vai namorar?

- Não Marx, me vesti para o meu primeiro encontro!

Caramba, com quem, posso saber, vou ser seu motorista?

- Não seu bobo, é com você que vou sair, não é? Afinal você acha que eu não sei de suas intenções, porque você acha que marquei pra você vir me pegar longe de casa. Vamos, toca pro motel que eu vou te surpreender na direção.

Fiquei embasbacado com a atitude dela, mas, como um bom pegador sabe, não posso deixar passar a vontade, me dirige ao motel em São Bernardo do Campo, peguei uma diária.

Ao entrar no quarto sentei na cama ela me olhou e empurrou meus peitos fazendo deitar-me, sentou sobre mim e encostou sua xaninha sobre meu pau, estávamos de roupas.

- Agora vou sentar na marcha, é isso que você queria me ensinar, você vai meter a marcha lentamente e vou lubrificar e acelerar até o óleo jorrar dentro de mim.

Meu pau explodindo de tesão, ela tirou minha camisa e tirei a blusa dela e o sutiã, enfim vi aquela magrinha, com os seios durinhos, bicos rosados enrijecidos, passei a língua levemente em um e para o outro não ficar enciumado passei a língua no outro, dando um trato igual ao dois mamilos.

Aquela menina, que achei que era inocente, levantou, foi descendo, tirou meu cinto, passando a mão sobre meu pau que estava como um vulcão a ponto de explodir, tirou meu pau pra fora e caiu de boca, que boquinha maravilhosa, que linguinha deliciosa, chupava com maestria e agilidade, quase me fez gozar, segurei e tirei toda a minha roupa.

Ela levantou-se pra tirar a dela, ela baixou sua calça e agachou pra desamarrar o tênis inclinando aquela bundinha branquela e deliciosa, vi aquela racha rosada, enfiei a língua em seu cú, ela arfava.

- Isso meu Instrutor, enfia essa língua no meu cú, adoro ser lambida, isso endurece essa língua, enfia mais, que delícia.

Aquela carinha de anjo, já tinha se desfeito e transformado numa putinha, a tagarela do metrô, não tinha mais a língua afiada para conversas paralelas, ah não ser pra urrar, pedir pica, pedir pra ser chamada de putinha.

Após a sessão de lambidas, ela deitou na cama e abriu bem as pernas e pediu pra eu enfiar a língua em sua buceta.

- Vem aqui, chupar minha xoxota, era isso que o cachorrinho do metrô tava farejando, uma novinha, vem que sou quente, adoro fuder com pessoas experientes, isso chupa, chupa sua putinha ninfeta, isso mete a língua no meu cú, mete mais, mais caralho que vou explodir, isso enfia o dedo, que delíciaaaaaaaa assim gozo fácil aaaaaaaahhhhhhhhhhhh caraaaaaaallhooooooooooo que chupadaaaaa.

Senti suas pernas se fecharem e o cuzinho contraindo meu dedo, meu pau todo melado de tesão, passei em sua boca pra ela sentir meu mel, ela lambeu com uma línguada, então, já desci e em seguida meti nela, estava desfalecida na posição de frango assado, abri bem aquela xoxota e comecei a esfregar a cabeça do pau naquele clitóris rosado e molhado.

- Assim é covardia, depois de gozar, você esfregar, é capaz de eu gozar de novo, sou muito facinha pra gozar.

Imediatamente capitei o seu ponto fraco e esfregava e metia fundo, esfregava e metia fundo e forte.

- Porrraaaaa, falei que eu ia gozaaaaaaaarrrrrr, que tesão, tô com as pernas bambas, mas, fode, enfia, mete esse cacete delicioso, era isso que você queria, fodeeeeeeeeeeee, isssooooooo, aaahhhhhhhh.

Ela desfaleceu, eu então a coloquei de lado e deitei metendo de lado, ela se abriu novamente e comecei a bombar e a esfregar meus dedos em sua buceta, o ponto G.

- Assim você vai me matar de tanto gozarrrrrrrr, puta que pariu que é isso, goza comigooooooo, me fode e goza também.

Eu já tinha me dado o prazer de ver aquela putinha se deliciar tanto, então, não segurei mais e falei que gozaria dentro dela.

Ela abriu as pernas.

- Isso goza bem dentro!

Mas, quando vi aquela bunda branca batendo em minha pelve, ela rebolando mudei de posição pegando-a de QUATRO, segurei forte aquelas ancas, puxava forte seu quadril pra bunda balançar mais, e eu sentia meu pau entrando trucando, urrei e dei uma jorrada de porra naquela xoxota. Toma gostosa do caralho, recebe essa porra toda ai dentro, minha cadelinha deliciosa, ninfetinha putinha, já fudeu assim desse jeito, toma mais nessa xota rosada e deliciosa, e senti a lubrificação maior, que ela gozou também!

Assim, comi a gostosinha da Bia, hoje marcamos pelo wtsapp nossas aulas de direção, onde ela passa sempre a marcha com a boca, com a xotinha e com o cuzinho também.

http://www.casadoscontos.com.br/texto/201704870

Compartilhe com amigos

Copiar Link Whatsapp Twitter

Comentar