Um super dotado de presente para a Annika

Categoria: 

Casei com uma mulher maravilhosa. Annika tem 40 anos, loira peituda de cabelos medios, 1,70m., pernonas e um bundão tipo cavalona e abdominais sarados... Caráter forte e doce ao mesmo tempo, uma mulher que sabe oque quer. Os peitos grandes tem bicos muito avantajados. Cada vez que ela põe uma camiseta tem que trocar de roupa pois os bicos simplesmente aparecem de forma indecente. Ela precisa colocar duplo protetor nos bicos e mesmo assim são muito evidentes. Chama a atenção ver uma loirona assim de peitos grandes, bicudos e de bundão de cavala. Um sorriso maravilloso e sempre de bom humor faz da Annika uma mulher maravilhosa.

Somos casados ja´faz dez anos e ela sempre foi muito fogosa na cama, um furacão. Mas ultimamente cada vez se interessava menos pelo sexo. Ela ficava com vontade uma vez cada quinze ou vinte dias. Depois de dez anos as coisas começaram a esfriar um pouco do ponto de vista sexual, se bem no resto tudo maravilhoso.

O meu problema e´que ela e´uma coisa de louco. Fico olhando para ela quando vai tomar banho e o meu pau fica duro. Ela se veste e eu com o pau duro. Na cama ela dorme empurrando a bunda para o meu lado, eu fico abraçando-a e encoxando-a com o pau duro e ela dorme…

Depois de dias quando finalmente ela quer dar então ela me chama. Mas agora ela exige mais pegada e mais profundidade daquilo que eu consigo dar. Ela pede para ser comida com força, socada ate´o fundo, forte, firme e com velocidade. Eu enfio e ela fica pedindo para ser bombada e eu simplesmente não consigo porque se dou do jeito que ela pede acabo gozando em menos de dez estocadas…

Então ja faz uns tres anos que ela usa primeiro os dedos, ou um vibrador, para gozar e so´ depois deixa que eu a coma. Nessa situação ela geme e goza mas porque nesse momento a sua buceta ja’ esta´inchada e sensível pelo gozo anterior.

O meu pau tem uma cabeça grossa e ela gostava disso antes. A cabeça é grossa, o corpo é grosso também, arrombador, fica bem duro, mas tem so´12 cm. Ele e´grosso e na raiz afina repentinamente e assim ele acaba "entalando" nela. Annika gosta disso e me achava bem dotado no começo, ou pelo menos isso dizia…

Me comparava com os seus ex-namorados e me confessava que todos eram pequenos, finos, e que não souberam comê-la do jeito que ela precisava. Na época eu concluí que ela sempre tinha sido mal comida e tinha tido homens de membros pequenos. Com exceção de um, que ela me disse que era um nadador com quem tinha ficado quando tinha uns vinte quatro anos. Ela dizia que esse tinha feito ela gozar bem gostoso e que tinha uma pica grande...

- Deveria ter aproveitado mais... - ela disse uma vez.

- Oque? - perguntei eu.

- Deveria ter aproveitado e ter dado mais vezes para ele...

- Porque voce diz isso? - perguntei ja´meio excitado. Ele tinha uma boa pica, por isso?

Ela olhou para mim e deu um sorriso e falou:

- Sim. Tinha uma boa pica, grande do jeito que eu gosto. E tinha um corpo de nadador. Era alto, grande e tinha uma piroca bem longa também...

Era maior que a minha? - perguntei ja´ sabendo qual seria a resposta.

Sim, maior que o teu amor...- disse ela ja' meio excitada também. - Deveria ter aproveitado mais… - concluía novamente.

Era verdade que eu a comia, fodia ela gostoso, por todo o tempo necessario para ela gozar. Virava ela do avesso, ia pela boceta, pelo cú, de quatro, frango assado, de lado, segurando os braços por atrás e bombando ela de quatro. Mas cada vez que dava com força, boa pegada, firme e no ritmo que ela queria eu não aguentava e acabava gozando. E os meus 12 cm. não cutucavam ela no fundo. Nem quando ela deitava e colocava as pernas no meu ombro e eu metia com tudo e dava bombadas ferrenhas. Ela simplesmente não gozava mais assim.

Assim, pouco a pouco ela foi esfriando e entrava no "cio" só uma vez por mes, dois dias. Se eu estava por perto ela me pedia para chupar o clitoris. Se eu não estava por perto ela batia uma siririca e pronto. Eu tinha virado o marido que acabava so’ chupando a buceta do mulherão que tinha em casa ou tendo que bater punheta todo os dias pensando nela.

Tentei conversar, afim de melhorar a situação e a convenci de que tínhamos que apimentar um pouco mais nosso casamento.

Foi nesse momento quando novamente surgiram as conversas sobre o tamanho que ela gostava, sobre o nadador de pica grande, sobre os extensores que ela gostava que eu utilizase, sobre o caralhudo cubano que tinha virado ela do avesso alguns anos atras… e assim as fantasias fluíam nas relativamente poucas vezes que tínhamos sexo.

Dez anos depois de ter inaugurado o cuzinho dela e ter comido a Annika de todas as maneiras, a sua buceta obviamente já estava bem mais larga de tanto pau, o cú também estava bem treinado. A minha loira ja´era um mulherão de 40 anos, tinha sido sempre muito bem comida, gostava de pau, mas tinha esfriado por causa que o meu pau era de 12 cm. Tal vez 13 cm. tentando chegar la…

Com essa situação eu também comecei a ter fantasias. Imaginava ela sendo comida e satisfeita por um homem caralhudo. Pensava que se ela estivesse dando para um caralhudo ela ainda teria o fogo de antes. A Annika e´um furacão na cama, sabe gozar, sabe ser comida por um macho, gosta de ficar de quatro e receber uma boa montada. Eu passei a imaginar e batia muita punheta pensando nela sendo satisfeita por pirocudos. Essa era a nossa situação sexual.

Fui analizando a situação e percebi que sendo um mulherão e tendo experimentado superdotados não poderia estar satisfeita com um pinto de 12 cm. Eu mesmo comecei a lembrar que uma vez tinha comido uma garota de 27 anos que tinha uma buceta super apertada. Ela gozava que nem louca com o meu pinto. E eu sentia a buceta dela muito apertada, demorava uns 5 minutos para poder penetrar. Ela era para mim oque seria um superdotado para a Annika.

Começamos a fantasiar muito com isso. Às vezes eu dizia que estava comendo a outra. Que a garota tinha a buceta mais apertada que eu ja tinha visto. Eu dizia:

- A bucetinha dela e’ mais apertada do que o teu cuzinho amor.

Mas também acontecia o contrário, ela fantasiava dizendo que estava dando para um super dotado pois precisava de uma pica maior.

Com o tempo, a fantasia que mais nos excitava deixou de ser eu com a mulher da buceta apertada para ser ela com o super dotado. Eu ja’ não parava de bater punheta pensando nisso. Eu batendo punheta tres vezes por dia e a Annika com o fogo crescendo mas sem dar bola para o meu pau.

Comecei a mostrar fotos de caralhudos para ela. Quando via um cara de pau bem grande e cabeçudo ela falava "ummmm....pra esse eu dava!"

Depois de um tempo ela começava mais freqüentemente a se excitar e falar em dar para um cara de pau bem grande, como das fotos que eu mostrava. Comecei a ficar enciumado e durante uma conversa franca ela disse que tinha aceitado apimentar o nosso casamento e topava dar para um super dotado.

E disse algo que foi, no início, um susto escutar, mas que com o tempo me deixou com tesão também:

- Amor, você trepa gostoso, me faz gozar, faz tudo perfeito e eu sei que você vai sempre me fazer gozar de algum jeito. Mas o seu pau ficou pequeno para mim. E´ gostoso porque fica bem duro, mas desde que você começou a me comer com os extensores, e depois com aquele cacetão que você usou algumas vezes e finalmente depois de ter sido arregacada pelo cubano naquela viagem… eu não sinto mais o teu pau direito. O teu não me arregaça, parece que eu não fico cheia! Confesso que queria experimentar de novo um pau bem grande, um que me deixasse entupida, arregaçada, esfolada, que realmente me fodesse!

Fiquei mudo pois agora parecia que ela estava pedindo para valer. Não sabia o que dizer...

Mesmo depois de algumas semanas, as palavras da Annika ainda estavam na minha cabeça.

Lembrava daquilo e ficava irritado, mas ao mesmo tempo, me excitava com a sensação de humilhação de minha esposa super tesuda precisar dar para outro para se satisfazer. Tentei evitar fantasias durante nossas esporádicas trepadas, pois agora ja´ sabia que a Annika ja´estava so´esperando o convite definitivo. Mas não conseguia deixar de imaginar ela dando para um caralhudo de verdade...

Nas poucas vezes que tinha o privilegio de receber um boquete percebia que ela não precisava abrir muito a boca, chupava sem dificuldades. Parecia precisar de algo maior. Quando a penetrava também era a mesma coisa de sempre. O pau entrava fácil. Ela ficava tranqüila, so´um pequeno gemido na entrada e logo parecia não sentir e não gemia. Ou gemia pouquinho, tendo que dedilhar o grelo. Era claro que ela agüentaria e gostaria de muito mais. No meio da transa ela me dizia coisas como:

- Ai amor... preciso te sentir no fundo… vai forte! Vai mais forte amor!

Eu dava bombada o máximo possível e ela pedia:

- Mais profundo! Mais profundo! Quero mais, caralho!!! Me come direito… vai fundo amor. Quero caralho porra!!

Enquanto ela gritava isso eu a pegava pelas ancas e dava as minhas bombadas frenéticas mas mesmo assim ela dizia que queria mais. Acabava traído por minhas próprias fantasias e seguia a fantasia dela e acabava gozando em duas ou tres estocadas perguntando se ela não queria algo maior. Ela dizia sim, sim, me da uma pica do meu tamanho! Me da uma que seja do meu tamanho amor!

Uma noite ela estava muito excitada. Muito mais do normal. Pensei que ela estava voltando a ser a Annika sexual de anos anteriores. Essa semana ela estava querendo transar mais frequentemente, andava excitada. Esse noite ela estava visivelmente mais excitada ainda. Não sabia porque estava tão assim…

Na cama eu a comecei a comer e quando ela estava de quatro, e dava para ver o bundão fenomenal ela me pediu para bombar. Eu dava nela mas parava depois de duas ou tres estocadas forte. Sentia o gozo começar a pingar do meu pau. Parava e não podia continuar porque se não gozava…Ficava so´tentando deixar o pinto para dentro o mais profundo possível, quieto.

Não queria deixar ela na mão. Mas em um momento ela empina o burrão, relaxa o cuzinho, olha para mim virando a cabeça, e diz com uma cara de puta:

- Se não tem pau pra me arregaçar pelo menos tenta me foder, porra! - Se mexe! Não para não, me fode direito!

Eu dava tres ou quatro estocadas mais e acabava derretendo dentro dela. Ela acabava no dedinho de novo.

Outras vezes tentávamos papai e mamãe. Ela não gostava, menos excitada me dizia com carinho:

- Amor, você vai ter que ser corno... Eu te amo demais, mas você trouxe de volta o fogo e uma mulherona gostosa como eu não pode ficar sem piroca grande. Eu preciso ficar entupida, cheia. Assim nessa posição ja não estou nem sentido o teu pinto entrar... Vai, me coloca de quatro pelo menos… Ela virava, ficava de quatro novamente e acabava dedilhando o grelo e dizendo:

- Me enfia no cú então. O cuzinho e´teu, amor... O cuzinho e´do teu tamanho, quero que você goze no cuzinho... vai, me come o cú amor.

E eu tinha que concordar. Uma loira daquelas merecia a melhor trepada possível. No fim da trepada, se eu ficava com um pouco de ciúmes ela dizia que era só fantasia, brincadeirinha que deixava nossas trepadas mais gostosas. E depois continuava:

- a não ser que você queira… se você quiser eu dou para um caralhudo. Mas de verdade...

No dia seguinte ela me disse que tinha arrumado uma amiga na academia. Faziam dois meses que elas se conheciam e o seu marido era um cara chamado Paco. Não entendia porque ela não tinha me contando isso antes.

Annika me confessou que fazia uma semana a Ligia tinha feito um comentario de que o seu marido era meio especial. E que quando a Annika pergunto a razão ela disse que o marido tinha a maior pica que ela ja tinha visto. A Ligia ja tinha dado para varios e então era algo especial de verdade...

Eu não disse nada...

Nessa mesma noite retomei o assunto com a Annika, que me falou que no dia anterior de manha quando ela foi pegar a Ligia para ir juntas a academia tinha visto o marido saindo.

- Dava para perceber o tamanho so´de olhar o jeans do cara, amor.

E disse que essa manhã quando ela tinha chegado na casa da Ligia um pouco mais cedo a Ligia estava sendo comida pelo esposo.

- Como você sabe?! - perguntei.

- A gritaria durou vinte minutos, amor…

Ela escutou de fora do apartamento e disse que a Ligia parecia uma porquinha gritando e sendo enrabada. Gritava sem parar e a cama parecia que ia despencar. Um escândalo! Depois que o marido saiu a Ligia apareceu ja pronta para a academia mas andando com as pernas abertas e bambas.

Eu comecei a pensar que era isso que estava deixando a Annika excitada daquele jeito estranho...

No dia seguinte o assunto voltou uma e outra vez, Annika falou:

- A Ligia disse que o pau do Paco é deste tamanho!

- E o que você tem a ver com isso? - falei meio ciumento.

- Só tô comentando! Ela fala nisso o tempo todo. Hoje de manhã de novo escutei eles transando… na casa dela, de novo. Ela urrando na cama com o marido.

- Porra…, de novo?!

- É, e eu fiquei excitada… Fiquei escutando pela porta, fora do apartamento. Com o ouvido na porta e a minha buceta inchando e molhando debaixo do meu jeans - a Annika confessou sem pudor.

Essas histórias me deixavam muito excitado e perguntei:

Como e’ ele?

- Ele é um cara alto, grande, imagino que o pau e’ tão grande porque e’ proporcional ao tamanho dele...

Eu senti ciúmes da Annika olhando o jeans do tal Paco, mas quando ela me contou que nao lembrava direito do rosto percebi que a Annika estava so’ pensando mesmo na nossa fantasia. No caralho do Paco, não no Paco.

Não falamos mais. Uma semana após a Annika voltou a estar super assanhada, mais ainda. Estava querendo sexo duas vezes por dia!

Voltamos a transar essa noite, porém quando eu tentava começar a fantasiar, perguntar se ela queria um pau grande, ela ficou pouco à vontade. Me pediu sexo anal. Lembrei que ela tinha dito que o cú era para mim.

Enquanto eu estava entalado no cú, ela confessou:

- Ontem toquei a campainha e ninguém atendeu... Achei que ela ja tinha ido embora porque tinha chegado um pouco tarde. Coloquei a orelha na porta e escutei que tinha alguém na casa tomando banho. Pensei que podia ser ela. Então abri a porta e escutei que era o barulho da ducha do banheiro. Entrei pensando que seria a Ligia, mas na verdade pensando que poderia ser o Paco também….

Eu parei de bombar o cuzinho dela porque quase gozei. Fiquei entalado e passando a mão nas costas dela e com a outra segurando a bunda da minha loira, e falei:

- Oque aconteceu sua puta? Me conta!

- Ai amor... Estava tão excitada com a ideia que fosse o Paco que acabei tomando coragem e fui até o banheiro que estava com a porta aberta. Dei uma olhada e vi... o Paco na ducha… a rosto debaixo da agua tirando o shampoo…. Nao pude deixar de ver… ele tinha um pau enorme que pendurava meio bomba. Acho que ele tinha acabado de comer a Ligia...

- Sua puta! Voce viu sua puta? Gostou do que viu? Olhou para o caralho do Paco e gostou do que viu?!

- Amorzinho… eu molhei na hora…. ele tinha uma coisa que parecia um cavalo… Subiu um fogo e as minhas pernas ficaram bambas...

- E oque aconteceu putinha?! - perguntei quase desmaiando de tesão.

Eu saí correndo e encontrei a Ligia na porta… Ela estava com uma cara de safada e disse:

- Eu sei que você sempre fica escutando na porta… Ele quer te comer e se você topar eu deixo ele para você uma manhã…

Meu coração parecia que ia explodir. Eu estava transtornado. Com um tesão que nunca havia sentido. Ela se virou, desengatou do meu pinto e me beijou. Não consegui resistir. Ela pegou no meu pau, que estava duro como pedra, punhetou só um pouco, bem de leve, e falou:

- Eu quero...

Eu gozei na mão dela e disse que sim…

Tudo foi preparado. O Paco daria uma mostra do cacete para a Annika. Eu poderia ficar so’ olhando. A Ligia nao participaria, ficaria so’ escutando assim como a Annika tinha feito... mas pediu para filmar tudo. Era o Paco e a Annika em um duelo de buceta contra cacetão, eu só olhando e a Ligia escutando da sala (e batendo uma siririca).

Chegamos na casa deles na hora combinada. Era sexo e pronto. A Ligia atendeu a porta e entramos na sala. Como se tudo estivesse combinado por elas a Annika foi direto para o quarto onde o Paco já a esperava na cama, sentado. Entrei atrás dela. O quarto estava iluminado com dois abajures. As luzes davam um ambiente agradável ao quarto, dava para ver tudo, mas o ambiente era de discrição. Fui apresentado ao tal do Paco. Era um cara mais alto que eu, devia ter em torno de 1,90m, não era bonito mas estava muito en forma, sarado, um desses caras que vive fazendo ginastica. O cara não falava nada, e eu também não.

A única a agir foi a Annika. Não acreditei, ela nao esperou e foi direto no Paco. O cara parecia não acreditar também. Ela pegou os bordes do shorts dele e puxou para baixo. Uma cobra apareceu e a Annika pegou no seu pau, começou a punhetá-lo, se agachou, e começou um boquete com toda vontade. O pau do famoso Paco parecia ser grosso, bem grosso, mas acho que porque ele estava sem graça não estava dando sinais de vida. Meu tesão diminuiu um pouco, mas Annika continuava mamando naquele pau ajoelhada na frente dele. Ele sentado na cama abria bem as pernas para eu ver.

O cara evitava me olhar, parecia tímido, e passou a olhar fixamente para a Annika. A única coisa que se ouvia no quarto era a respiração de Annika e os barulhos que fazia chupando aquele pau. Até que o Paco começou a gemer baixinho também. Seu pau já tinha aumentado um pouco, e estava, mesmo ainda bem mole, maior que o meu duro e não parava de crescer.

A minha esposa já estava com a boca bem aberta, parecia estar finalmente com a pica que tanto desejava. Quando o pau dele finalmente ficou duro, era realmente de impressionar. Devia ter uns 24 cm, mas o que impressionava mais era a grossura. Era grossa como uma lata de cerveja. Mas também era longa... era simplesmente um cavalo. A minha mulher lambia o pau dele por baixo, desde o saco que também era enorme até chegar a glande que quase não cabia na boca. O Paco segurava pela base para exibir aquela coisa e batia de leve na cara dela. Ele era um cavalo e ela uma loira cavalona, ela tinha encontrado aquilo que desejava... Ela estava linda com aquele pau duríssimo, segurando pela base e lambendo a chapeleta que ja derramava lubrificação.

A Annika ficou de cócoras. A visão era muito sexual, ela de cócoras e tamancos do lado da cama, com os peitos de fora, o jeans apertado revelava o inicio da bunda. Os cabelos loiros caindo nos peito, os mamilos eretíssimos. Os mamilos da Annika chegam a ter 3 cm. quando bem eretos (foto). Ele sentado na beira, abrindo totalmente as pernas musculosas e mostrando uma tora de cavalo impressionante. Ela tinha 3cm, eu 12 e o Paco 24!! Os enormes mamilos da Annika estavam mais perto do tamanho do meu pau que o meu do caralho do Paco...

Ela deu uma chupada e quando soltou estalou a boca. Deu uma olhada gulosa e se levantou orgulhosa do trabalho que tinha feito. A pica estava duríssima.

A minha loira começou a desabotoar o seu jeans, foi tirando junto com a calcinha dando gingados. Tirou tudo e ficou so’ de tamancos. Se virou de costas para nos e caminhou como uma gata no cio, manhosa, empinando o rabo dengosa... chegou e colocou as mãos na parede, jogou a cabeça para atras e gemeu suave.... Nesse momento o Paco e eu vimos aquele monumento de mulher no seu estado mais sexual, animal... era uma cavalona de 1,80 m., belíssimas pernas que levavam a um bundão super gostoso. O Paco segurou a sua tora, deu um grunhido e sussurrou devagar: Puta que o pariu....

A Annika colocou as mãos na parede, empinou o rabo e jogou a cabeça para tras, mostrando oque tinha para dar (foto). O bundão e corpão dela deixaram o Paco com a pica, agora sim, dura como pedra. Era uma coisa impressionante, a chapeleta era o dobro da minha. Eu já estava com meu pinto pra fora, um pouco envergonhado pois o dele era o dobro e o meu tinha amolecido um pouco... A Annika se virou, sentou na cadeira da escrivaninha que estava do lado e fez sinal para me aproximar. Cheguei com o pau meio duro, curto e babando perto da cara dela.. Ela abocanhou e fez sinal para ele. Ele chegou e ela passou a chupar os dois. Eu ficava incomodado, tamanha era a diferença. A Annika estava claramente excitada pois rapidamente entrou no jogo da provocação:

- Isto e’ um cacete e isso e’ um pinto. Ela apertava a base do membro caralhudo do Paco com toda a mão, presionando bem, puxando para o fundo e uma tora emergia, erguida como uma espada de carne, duríssima, vermelha e lubrificada, brillando com a luz do abajur... Com a outra mão a Annika pegava o meu pinto meio bomba com tres dedos....

- Isto e’ um penis, um pinto... e isto e’ um caralho, uma jeba...

- Amorzinho tenho que chupar o seu um pouco pra te ajudar a ficar mais duro... Você sabe que eu gosto de bem duro...

Enquanto ela chupava o meu, o Paco ficava esfregando o pau na cara dela, como se quisesse que ela voltasse a chupar o dele. E ela dizia pra ele:

- Calma tenho que chupar o do meu maridinho também...

Ela punhetava o pau dele enquanto chupava o meu. O pau dele parecia uma cobra agressiva dando estocadas cada vez que ela descia a mão ate' o talo… devia ser quase do tamanho do antebraço dela em grossura e ela não conseguia fechar a mão em torno a base dele. O cara estava alucinado e a puxou pelo cabelo.

Ela protestou um pouco, mas saiu da posição de cócoras, levantou e caminhou ate’ a escrivaninha. De novo como uma gata assanhada, empinando o rabo. Caminhando com as pernas um pouco mais abertas pois a buceta inchada ja tinha molhado toda a parte interna das coxas da Annika. Colocou as mãos na escrivaninha, levantou o bumbum, abriu as pernas e olhou para atras...mordendo os labios pediu para o Paco se aproximar... O tesão dela dava para cheirar... o ar cheirava a mulher no cio.... aquele odor de fêmea se misturou com o cheiro mais doce-azedo do pau do Paco. A buceta ja’ estava babando como se outro macho ja’ a tivesse comido e gozado dentro... A buceta dela estava brilhante e quando ela abriu as pernas un fiozinho de lubrificação caiu e ficou pendurado por alguns segundos... Arrebitando o bundão se ofereceu para ser penetrada.

Ele se levantou na hora, sem duvidar de quem estava sendo chamado... E por primeira vez vi completa aquela tora que parecia uma marreta para descabaçar éguas. E era isso mesmo, ele ia martelar a pica pra dentro do útero da minha fêmea ate’ chegar a barriga. Ele ia fazer da Annika oficialmente uma cavala. Ele chegou perto, pegou a minha mulher abraçando por atras, envolvendo com os bracos e colocando as mãos por dentro das suas pernas. A segurou e a levantou um pouco posicionando-a mais aberta. Como ela estava de salto e tem as pernas cumpridas era uma loira de 1,80 m. mas ele sem problemas pois tinha 1,90 e 24 cm. de poder de penetração. Eu nessa posição não consigo chegar nela, mas o Paco sendo mais alto do que eu, simplesmente pediu para ela abrir um pouquinho mais, a segurou pelas nádegas, abriu o bundão e deu uma olhada. Ele queria dar uma boa olhada naquele cu e ver se a buceta ia aguentar. Não duvidou e logo se posicionou colocando a cabeça da marreta na entrada da buceta... Ela se agitou um pouco quando sentiu aquela bola quente na entrada...

Ele não esperou e com evidente experiencia fez um pequeno movimento de cintura e se engatou nela. A Annika soltou um grito e atras um suspiro con a voz tremula... A glande abriu a buceta da Annika e a engatou preparando para oque viria... Ela deu um grito e ele a pegou pelos cabelos, a segurou firme e sussurrou no ouvido dela...

- Vou fazer você gozar do jeito que merece... sua puta.

e deu uma empurrada. Ela deu um pulo, um grito e abriu ainda mais as pernas e empinou. Ela sentiu a cabeçona entrar de uma e mais de 10 cm. A Annika apertou os olhos e uma lagrima saiu... mas logo os abriu e com uma cara de assanhada olhou para mim e gemeu.... ele aproveitou e meteu mais ainda. Ela deu outro grito e um suspiro e começou a bufar.... O Paco puxou a calcinha de lado um pouco mais... e eu vi como a tora dele abria a Annika e ainda faltava outros 10 cms. Ela ja estava entupida com uns 15 cms. de tora super grossa. Ele tirou e escutei o barulho da buceta dela. Ele a posicionou novamente e a agachou na escrivaninha e mostrou para mim a bunda dela, deixando a buceta a vista. Olhei e vi que com uma so’ tacada o Paco ja tinha arregaçado a minha mulher pois vi que ja tinha ficado um pouco aberto. O tamanquinho fazia ela arrebitar ainda mais aquele burrão sensacional. Ficava tão arrebitada que dava para ver sua boceta inchada e aberta por trás no meio daquele bundão. Ele se posicionou novamente atras dela, pincelou o pau na entradinha da boceta rosa da minha loira gostosa e a começou a atiçar. As pinceladas faziam ela rebolar e tentar sentar na vara, estava molhada como eu nunca havia visto, chegando agora a escorrer pelas pernas. Isso tudo na minha frente, a menos de meio metro. Eu tocava uma devagar, vendo tudo nos mínimos detalhes. Não acreditava que aquilo tudo iria entrar nela. Ela era bucetuda mas agora tinha encontrado uma tora bem maior.

O Paco começou a enfiar a cabeça de novo, empurrando os lábios da bocetinha dela para dentro. Ela gemia baixinho, parecia estar fazendo esforço para suportar. Ele a penetrou e ficou entalado novamente com uns 15 cms. para dentro e bem esticada. Deu um tempo para ela acostumar, ficou enfiando e tirando a primeira metade. A buceta beijava a chapeleta e sugava. Quando ela já parecia ter se acostumado ele parou. Pediu para ela abrir ainda um pouco mais as pernas. Ela ja entalada, simplesmente empinou um pouco mais e dobrou um pouco os joelhos. Ela estava sentando na pica. Ele a abraçou por atras, pegou pelas pernas colocando os bracos pela frente, se apoiou e empurrou tudo de uma vez, os 24 cms. tudo para dentro, abrindo e penetrando ate’ empurrar o útero, ate’ bater na boca do estomago. Ela deu um grito, um urro e começou a gemer alto. Não dava pra acreditar que aquilo cabia na boceta dela.

O Paco começou um vai e vem com ritmo. O cara era um professional. Ela bufava, e gemia. Ele começou a aumentar o ritmo. Já bombava com força, sem pena, deixando a xotinha dela vermelhinha e os labios todos esticados. Eu pensava que a buceta dela nunca mais seria a mesma. Ela gritava, dizendo que estava sendo arregaçada, que o pau dele estava batendo no fundo, que aquilo que era pau de verdade. E Paco que ate’ então estava quieto começou a falar também:

- Cara, tua mulher é uma puta gostosa! Nunca vi ninguém gostar tanto de um pau grande.

Eu batia uma punheta vendo tudo isso...

- Depois que ela viu meu pau a Ligia me disse que ela ficou louca. Ela não parou de pedir para a Ligia que eu a comesse. - disse o Paco.

Foi diminuindo a velocidade das bombadas, para que ela pudesse pegar fôlego.

Vi que os labios dela estavam todos esticados tentando abrir para essa rola enorme.

Você vai aguentar? - perguntei.

- Sim..., amor, quero ser comida…

O Paco começou de novo, colocando e tirando a cabeça rombuda...

- A Annika ja dizia coisas sem sentido, gaguejava...:

ooooohhhh está grossa...ai amor... Sim! eu eu gos..gosto assim, sinto muito grande...uuuuufff... Mete mais, aaii... devagar, não mete mais, devagar seu puto, aaaiiii...”

Fui batendo punheta devagar. O Paco parecia se preparar para comer a Annika pois ele ia colocando lubrificante cada vez que saía e entrava... Ela começou a gemer mais. O Paco colocava KY Gel e parecia que estava prestes a começar a meter bombada nela... A Annika já começava a arfar e os gritos e gemidos fortes passavam a ser urros. Ela pediu para aumentar o ritmo... Era isso oque ele esperava, a fêmea suplicar.... então o Paco começou.

Ela foi chacoalhada pelo macho pirocudo ate ficar bamba. Era minha égua sendo comida como merece...com um cacete de cavalo. Não tinha escutado ela gemer desse jeito antes, pelo menos não por tanto tempo, cada estocada era uma loucura. A buceta dela estava simplesmente sendo redimensionada.

Gemendo e choramingando de prazer perguntou se estava tudo dentro… Eu cheguei perto e olhei e vi que faltava ainda um centímetro que estava custando entrar...

- Ainda falta amor... Quer levar até o talo?

- Sim...sim!!!! Pede para ele me enfiar até o talo amor, vai amor….pede para ele me entalar amor!! Ela chorava, gemia e gozava...

Ela virou para o Paco e disse:

- Ate’ as bolas... Me mete até o talo, me arromba, um pouquinho mais fundo.." Estava surprendido de como ela dava conta do super dotado... A buceta dela estava toda alargada, aguentava tudo! Ele deu uma estocada firme empurrando tudo e agora sim ja’ sem nenhum tipo de consideração.

- Aaaaaaaiii,ela abriu mais as pernas tentando acomodar e dar lugar. Ele a segurou pelos cabelos e puxando a juba dela parecia que podia levantarla com a pica. O Paco tinha segurado a Annika com a pica. Ele abraçou a Annika, a levantou com a tora toda entalada e a levou para a cama de novo. Ela foi colocada na cama de quatro. Já tremendo ela se posicionou, apertava os lençóis..., jogava a cabeça para trás e com coragem e tesão empinou o rabo. Ela sabia que eu gostava dessa posição. perguntei se ela estava aguentando...

- Sim, eu aguento..é muito grande amor...mas eu aguento amor. Gosto de caralho!

- Esta gostando?

- simmmmm!!..simmm!!! ela dizia com a voz meio roca e ja tremula... era uma fêmea fora de controle.

O Paco subiu na cama e foi direto a montar na Annika. Enfiou tudo de uma vez, cutucou o fundo da fêmea e começou a bombar de novo. O Paco ia aumentando o ritmo e eu via como o cacetão estava todo melado com um creme branco do gozo dela por causa das bombadas já no ritmo. Ela estava indo novamente a loucura. Fora de controle começou a apertar os lençois e a gemer, choramingar e dar risadas nervosas; no meio dos gemidos e palavras desconexas dizia que estava muito grande, mas que era assim que ela quería.. De repente ela gritou:

- Agooooraaa, agoora!! Naaao paara! Nao para, agora! forte, forte, vai, vai, vai, vaaaaaaaiiii!,, aaaaahhhggggg.. filho da puuuuutaa!!! No momento do gozo forte ela gritava como louca, pedia para bombar forte, xingava, estremecia o corpo. Era mais escândalo do que a Ligia fazia… A Annika não estava acostumada a esse tipo de dominio e surra de pica

AAIIIIIII, socaaa.aaaiiia... agoorraaa ...aaaaaii aaiiiiiiiii!!!!! .

A Ligia entrou quase correndo no quarto e ficou de boca aberta.

O Paco tirava até a cabeça da pica e enfiava de novo até o talo de uma. Quando ia tirando parecia que aquilo não acabava mais de sair, era enorme! Estava chegando até o estômago dela por dentro! Eu completamente excitado de ver a minha fêmea assim fora de controle batia uma punheta frenética. Nesse momento perguntei...

- Voce quer a minha? Quer que ele tire essa e eu te coma com a minha pica?

Ela respondeu.. " Não! Não! Eu quero estaaaa! Me da esta amor, gosto desta…. Esta por favor!! Aaaai ai, esta, esta por favor... É assim que eu gosto, é assim que eu gostava... e’ esta que eu gosto caralhooooo!!!

A Annika gozava uma atrás da outra...choramingava e não parava de mover as ancas e apertar os lençois. Eu via ela de quatro, as pernas arregaçadas, o lençol todo molhado debaixo dela... Era o gozo dela que ja tinha pingado. Paco pegando ela agora pela cintura e o bundão exposto vendo a tora entrar e sair. Olhei para os pés dela e os dedos estavam todos contraídos com força. O cheiro de sexo era forte e o Paco suava de tanto bombar a Annika. A minha esposa estava ja' com os cabelos molhados de suor também. Era uma loucura.

- Vai seu puto, me me me fode, mexe, me da.. me da bombada caralhoo!!". Ela gaguejava entre os gozos.

- Me fodeeee, sou sua puta!

Era um garanhão alargando o útero da minha gata.

A Ligia não resistiu e gozou apertando as pernas.

A Annika ainda tentava relaxar a buceta cremosa e rosa para permitir a enorme penetração... Eu percebía pois o cú estava muito froxo, para fora. Ela estava piscando o cu’ de forma incontrolável... Normalmente ela fazia isso de propósito quando queria indicar que desejava anal. Mas agora isso não era possível, ela estava tentando afroxar a buceta ao máximo e o cú também ficava frouxo sem querer..., e sem querer foi soltando pequenos peidos cada vez que era bombada, ela parecia ficar com raiva e dizia:

- Puta que o pariu, você me esta entupindo caralho…

Quando eu a comia era a buceta que soltava peidos pois era muito larga para mim… Mas com a tora do Paco era o cuzão dela que soltava peidos porque precisava relaxar tudo para tentar aguentar o membro daquele macho.

Eu continuava batendo uma punheta e sentido que o meu pinto não daria conta disso…e dizia:

- Vai amor, goza, essa pica e’ o teu presente. Faz tudo oque você quiser… Se tiver que peidar peida amor… Poder gozar amor, gritar, gemer, babar.

Ela pediu pra ele tirar, dizendo que agora era a minha vez. Ele obedeceu e saiu. Na hora escutei o barulho da buceta dela desentupindo. Rapidamente me posicionei atrás dela e comecei a colocar. A bocetinha dela estava visivelmente mais aberta e, dava pra sentir mais larguinha ainda. Assim que enfiei tudo ela começou a rebolar:

- Ai, tenho que rebolar senão não sinto seu pau direito. É por isso que pau grande é bom. Dá pra sentir tudo dentro. - Comecei a bombar mais rápido e chamá-la de piranha, ao que ela respondeu rapidamente:

- Ai amor, nao sinto o teu pinto! Você sempre soube que eu era puta, que queria um pau grande. Agora quem tiver pau grande vai me comer, e na sua frente! Agora chega! Tira esse pauzinho daí que eu quero ser arregaçada!

Eu já estava quase gozando, ainda mais com ela falando aquilo, mas tirei o pau. O Paco deitou na cama e ficou com a pica apontando pro teto. Annika foi se sentar naquela tora. Ela abria a bocetinha com os dedos e ia tentando fazer o pau entrar. Ela estava encharcada, e mesmo assim o pau ia deslizando com dificuldade. Depois de muito gemer, ela já estava com o pau ate’ as bolas e começou a cavalgar. Annika fazia um escândalo e começou a gritar de novo, chamando o cara de caralhudo, me chamando de corno - acho que ela estava gozando uma atras da outra.

- Assiimmm!!!! Esta sim chega até lá, até o fundo!!! Aaiiii amor que cacete filho da puuuutaaa!! Ooooooooouuu, uuuuu, era isso que eu precisava! Aiiiiii....aiiii, goza, goza agora amor, acaba, acaba agoooora!!!!". Arfava apoiando-se no peito do Paco pedindo para ele gozar e movendo-se em convulsões de orgasmos. Uma cara de éxtasis e os cabelos loiros suados na cara, jogando a cabeça para frente em espasmos... Gritou forte como uma gata no cio por uns 10 segundos, era um urro único, parecendo uma louca… O Paco deu estocadas rápidas e profundas apertando os peitos dela e disse que ia explodir . Ele começou a bombar rápido e com toda a força, fazendo ela guagejar. A cena era humilhante, mas me dava um tesão incrível.

O rosto vermelho, os cabelos suados, os olhos vidrados quando olhava para baixo e via aquela anaconda entrando e saindo. Ela então diminui o ritmo, tinha mesmo gozado como eu nunca tinha visto, o Paco a empurrou de lado e se posicionou de frente para ela.

Paco anunciou que ia gozar. Deu cinco estocadas finais e apontou o pau gigante e começou a jorrar uma gozada impressionante. Fiquei com inveja! Além de ter o pau imenso o cara parecia uma mangueira! Ele deu várias esguichadas, talvez 8 ou 9,não sei, mas foram muitas e todas potentes e fartas. Esguichou até no cabelo e por pouco não foi no rosto dela. Ficou banhada de esperma, que escorria pela barriga, pernas, peitos e buceta.

- Nossa, é muita porra! ? Ela disse baixinho, ofegante, com a voz cansada.

Paco caiu deitado na cama e ela virou e caiu desfalecida...por uns minutos muda e respirando forte..Logo toda lánguida, trêmula, suada, suja de gozo, arrombada, a buceta enorme, cheirando a sexo, ficou de cuatro novamente. Os bracos e pernas tremendo, a buceta jorrava gozo e esperma, tudo vazava pelas pernas... Percebi que ele tinha gozando dentro dela muito antes de ter dado os nove esguichos finais... Tinha quase tanto dentro como fora... A Annika olha para mim e disse:

- Agora e’ voce amor... pode vir que ja' gozei.

Eu disse que também queria gozar e fui aproximando o pau da boceta. Annika chegou um pouco pra frente, como se tentasse fugir:

- Põe no meu cu amorzinho. Na boceta eu não agüento mais nada. Não vou poder sentir... E me ofereceu a bundinha.

Enfiei o pau desesperadamente em seu cuzinho e comecei a bombar a toda. Ela só soltou um gritinho na hora que o pau entrou e depois continuou apenas com a respiração ofegante e balançando com as estocadas que eu dava.

Parecia que mesmo colocando no rabinho dela eu não conseguia causar o mesmo impacto que o pau do Paco fazia na xotinha dela. Eu sempre gostei de gozar fora, só pra lambuzá-la de porra, mas acabei gozando dentro do rabinho dela, mesmo.

Preferi não tirar na hora pra não passar por mais uma comparação desagradável, com aquele monte de porra que escorria dela e ainda continuava saindo da buceta enquanto eu a chacoalhava pelo cu'. Gozei dentro e caí deitado na cama também, e em seguida ela também se deitou. Mas se deitou devagarzinho e gemendo, como se sua bucetinha doesse ao fazer qualquer movimento. O Paco foi ao banheiro e não voltou mais, a Ligia foi atras dele. Ficamos deitados os dois, a Annika virada pra mim e punhetando o meu pau meio mole de leve. Até que a Annika chegou no meu ouvido e disse baixinho:

- eu te amo... e me deu um beijo molhado na boca.

Hoje a Annika voltou a ser um furacão na cama

http://www.casadoscontos.com.br/texto/201703334

Compartilhe com amigos

Copiar Link Whatsapp Twitter

Comentar